Usina São Jorge

A Usina Hidrelétrica São Jorge possui uma capacidade instalada de 2,3 MW e está localizada na margem esquerda do rio Pitangui, a 18 km do centro de Ponta Grossa, na região denominada Alagados.

A usina foi inaugurada no ano de 1945, com o represamento do rio Pitangui, formando a barragem de Alagados, que atende a geração da usina e o abastecimento de água da cidade de Ponta Grossa. A Usina São Jorge foi incorporada pela Copel em dezembro de 1974. Antes disso, pertencia à Companhia Prada de Eletricidade S.A.

A barragem foi construída em concreto e alvenaria com 133 m de comprimento e 13 m de altura máxima.

Informações técnicas

Inicialmente, a usina funcionava como uma ampliação da barragem da Usina Sumidouro (a Usina Sumidouro operou entre 1908 a 1949, sendo desativada em 1972). Quando a Copel adquiriu a hidrelétrica, ela foi entregue com o grupo 1 danificado, que posteriormente foi vendido como sucata.

Em seu lugar foi instalado um grupo gerador que estava operando na Usina Ocoí. A Usina de Ocoí foi colocada em operação na década de 60 e, por mais de 20 anos, beneficiou a região de Foz do Iguaçu. A usina foi desativada devido à formação do reservatório da Usina de Itaipu. O grupo 01 voltou a operar em julho de 1979 e o 2 opera desde 1945 até hoje.

Entre 1995 e 1997 a usina passou por uma reforma geral, na qual foram instalados os instrumentos destinados a sua automatização. Desde maio de 1999, a Usina São Jorge é operada à distância, através do Centro de Operações da Geração e Transmissão (COGT). A hidrelétrica possui duas unidades geradoras.

Programas ambientais

A Copel desenvolve uma série de ações de proteção ambiental na região da Usina, entre elas:

Equipes percorrem a margem do reservatório, verificando a situação do lago e das Áreas de Preservação Permanente (APPs) , registrando eventuais situação de não-conformidade com a lei. Essas ocorrências são registradas por meio do programa de Geoprocessamento COLLECTOR for ArcGIS, que é instalado em smartphones ou tablets permitindo coletar e atualizar informações no campo e compor um mapa com os pontos de intervenção. Essas informações compõem um Sistema de Informações Geográficas Socioambiental “SSA Ocorrências”, que classifica as ocorrências de acordo com o grau de severidade e permite um acompanhamento até a completa solução de cada caso.

Este programa consiste em mapear a real situação das Áreas de Preservação Permanente (APPs) do empreendimento e, com base nessas informações, realizar o gerenciamento das áreas. Os dados cartográficos levantados pela Copel servem para apontar quais as necessidades de cada usina: cercamentos de áreas, adoção de técnicas de recuperação como plantio, nucleação ou condução da regeneração natural ou simplesmente monitoramento, este último visando especialmente identificar a biodiversidade da flora existente nas APPs e o grau de recuperação de cada área.

A Copel realiza periodicamente o monitoramento da qualidade da água dos seus reservatórios, em atendimento às seguintes normativas:

Resolução ANA/Aneel 03/2010 (que estabelece as condições e os procedimentos a serem observados pelos concessionários e autorizados de geração de energia hidrelétrica para a instalação, operação e manutenção de estações hidrométricas visando ao monitoramento pluviométrico, limnimétrico, fluviométrico, sedimentométrico e de qualidade da água associado a aproveitamentos hidrelétricos, e da outras providências );

Resolução Conama 357/2005 (dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências); e

Resolução Conama 430/2011 (dispõe sobre as condições e padrões de lançamento de efluentes, complementa e altera a Resolução no 357/2005).

A água potável da usina também é submetida a monitoramento de acordo com o Ministério da Saúde nº 2914, de 12 de dezembro de 2011.

Os efluentes gerados nos processos de produção da Usina são monitorados periodicamente em atendimento à Resolução Conama 357/2005 (que dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências); e da Resolução Conama 430/2011 (que trata sobre as condições e padrões de lançamento de efluentes, complementa e altera a Resolução no 357/2005).

A Copel realiza o gerenciamento de resíduos em conformidade com a Lei Federal 12.305/10 – Política Nacional de Resíduos Sólidos e Lei Estadual 12.493/99 (que dispõe sobre o gerenciamento de resíduos sólidos no Estado do Paraná), bem como demais legislações e normativas pertinentes, assim como atende às condicionantes previstas nas Licenças de Operação da Usina.

As instalações seguem as definições da Resolução Conama 275/2001, que estabelece o código de cores para os diferentes tipos de resíduos, a ser adotado na identificação de coletores e transportadores.

A Usina conta com um Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS), um instrumento da Política Nacional de Resíduo Sólidos que visa a realização de diversas ações desde a geração do resíduo até a sua destinação final. Esse plano é construído baseado no meio ambiente e no que é melhor para mantê-lo de forma sustentável e prevê ações desde a geração, acondicionamento, meio de transporte, transbordo, tratamento, reciclagem e outras fases, chegando até a disposição final dos resíduos.

Os resíduos administrativos recicláveis são destinados às associações de catadores de materiais recicláveis, por meio da Coleta Seletiva Solidária, conforme Decreto Estadual 8426/2017, que dispõe sobre a obrigatoriedade da separação seletiva dos resíduos sólidos administrativos recicláveis pelos órgãos e entidades do Poder Executivo.

Os resíduos industriais, em sua maioria gerados nas atividades de manutenção, são acondicionados em recipientes apropriados de acordo com a classificação do resíduo, se perigoso ou não. A grande maioria dos resíduos industriais gerados é encaminhada para reutilização e reciclagem pelo processo de alienação (venda), conforme estabelecido pela agência reguladora (Aneel).

Os resíduos não alienados são destinados de formas variadas, sempre respeitando a legislação ambiental.

O Monitoramento de Ictiofauna (peixes) é um programa de longa duração realizado nos reservatórios e rios relacionados aos empreendimentos de geração de energia sob concessão da Copel. Coletando dados desde 2003, o Programa apresenta uma base solida para análise das condições da fauna de peixes em quatro bacias hidrográficas presentes em território do Estado do Paraná. Os relatórios deste Programa de Monitoramento são anualmente protocolados junto ao Instituto Ambiental do Paraná (IAP), abastecendo o órgão ambiental com importantes informações para conservação dos recursos naturais, além de cumprir com condicionantes ambientais de diversos empreendimentos.

O objetivo geral deste Programa é o monitoramento continuo da ictiofauna dos corpos d’água relacionados aos empreendimentos da Copel, gerando informação cientifica e orientações para ações de manejo, incluindo:

  • Informações sobre a ecologia e biologia das comunidades de peixes;
  • Identificação de variações nessas comunidades ao longo do ano;
  • Identificação de mudanças de longo prazo nas comunidades em estudo;
  • Verificação da necessidade de medidas de manejo, como o repovoamento com espécies nativas, por exemplo;
  • Verificação da influência de empreendimentos de piscicultura sobre a ictiofauna em reservatórios que venham a comportá-los;
  • Verificação da influência de repovoamentos por terceiros (prefeituras e entidades diversas) na ictiofauna;
  • Produção de relatórios anuais de monitoramento.

Para mais informações sobre a usina, acesso a relatórios e estudos ambientais ou cópias de licenças, entre em contato por e-mail: comunicacao.get@copel.com.